FOSPERJ reitera pedido de abono natalino a todos os servidores públicos estaduais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Em 22 de novembro de 2021, o Fórum Permanente dos Servidores Públicos do Estado do Rio de Janeiro (FOSPERJ) protocolou, no Palácio Guanabara, um documento manifestando a incredulidade dos servidores, que durante um ano e meio estiveram à frente da luta contra a pandemia, mas que foram ignorados pelo governador quando ele declarou que daria um Abono de Natal para o setor de Segurança, mas não às outras categorias do serviço público. Documento este repassado também para a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), com vários deputados manifestando total apoio às reivindicações durante os últimos plenários.

No pico da pandemia, milhares de servidores, de todas as áreas, arriscaram a própria vida em trabalho presencial, outros de forma remota, em um esforço para manter a máquina pública funcionando, não deixando o governo colapsar. Muitos servidores, inclusive, faleceram em decorrência de contaminação por COVID-19. Diante disso, o governo, hoje, publica o abono tão somente para o pessoal da Segurança.

Forma estranha essa de um governo “valorizar” aqueles que estiveram ao seu lado o tempo todo, na luta contra esse vírus mortal, que vem solapando a economia do estado.

Mais estranho ainda, quando lembramos os milhões de reais que foram empregados nas “tendas dos milagres” da Organização Social IABAS, que não prestaram sequer 10% do atendimento à população, com os leitos hospitalares para lá de abarrotados e sem condições de atender a todos.

Melhor fez a prefeitura, que proporcionou um Abono Natalino de R$ 200,00 a todos os servidores ativos, inativos e pensionistas. Um valor menor do que o do estado, mas plural, sem excluir nenhuma categoria.

Dessa forma, o FOSPERJ vem manifestar a indignação das categorias excluídas e reforçar a luta pela valorização e igualdade de tratamento não só a todos os servidores que atuam para um atendimento digno à população, mas para aqueles que, durante muito tempo, dedicaram seu esforço para tal. O legado dos aposentados não pode ser esquecido. Ainda há tempo para o governador corrigir essa injustiça.